terça-feira, 31 de março de 2015

O que seria "Fantasia Medieval"?


Muitas pessoas já devem ter ouvido falar do gênero Fantasia Medieval, mas o desconhecem pelo menos em termos conceituais; outros o apreciam, mas não sabem ao certo seu significado. No entanto, é possível notar que nos últimos anos muitos leitores do gênero "Fantasia Medieval" vêm o confundindo com a historiografia medieval. Tal fenômeno é certamente oriundo da avultosa produção midiática em torno da fantasia. Obras como O Senhor dos Anéis, As Crônicas de Gelo e Fogo, O Hobbit, entre dezenas de outras, têm ganhado cada vez mais fãs e muitos, às vezes, desconhecem a verdadeira essência da temática fantástica.


Deste modo, a Taberna Do Fauno, que trabalha constantemente com a Fantasia Medieval e questões historiográficas, apresentará uma conceituação formulada com base nas informações adquiridas em livros e artigos sobre tal gênero, abordado em livros, filmes, jogos, RPG’s e muito mais. (Existe uma diferença entre conceito e definição, sendo o primeiro algo questionável e particular, enquanto a segunda se refere a algo mundialmente aceito, sem diferenças entre cada país, região ou cultura).

Inicialmente, podemos compreender Fantasia Medieval como um subgênero do gênero Ficção, que se difere da ficção científica e do terror por dois aspectos notoriamente simples: o ambiente em que se decorre e a história abordada. A "Fantasia" se caracteriza por abordar criaturas e seres fantásticos, isto é, seres imaginários, mitológicos e lendários. Quanto ao "Medieval" significa que o enredo abordará temas típicos da Era Medieval como por exemplo, castelos, cavaleiros, bruxas, etc. Desta forma, a junção entre Fantasia e História/Cultura Medieval dá origem ao gênero (ou subgênero) Fantasia Medieval. Neste gênero estão presentes todo o tipo de sobrenaturalismos, tais como deuses, seres lendários, fantasmas e mortos-vivos, criaturas mitológicas como dragões, elfos, duendes, entre muitos outros exemplos. 

Contudo, a ambientação do enredo jamais deve deixar o aspecto medievalista, ou seja, não devem ser abordados assuntos tipicamente modernos, ou seja, posteriores à época medieval, como robôs, seres alienígenas, maquinários muito avançados, armas de fogo de alto nível tecnológico, etc. o que configuraria uma temática voltada para a Ficção Científica.



Este gênero não é algo novo, ele já existia na própria era medieval nas lendas e canções que preenchiam o imaginário humano da época. Alguns autores, inclusive, inspiram-se em escrituras e obras ainda anteriores a Era Medieval, como a Odisseia e Ilíada de Homero, entre outros mitos da Antiguidade. No entanto, para as pessoas que viveram naquela época não havia a nomenclatura "Idade Média", para o homem medieval, ele vivia na contemporaneidade, sendo assim, tal terminologia foi criada posteriormente. Da mesma forma que hoje vivemos a contemporaneidade, futuramente nossa época poderá ser intitulada com outro termo historiográfico. Neste aspecto, a fantasia medieval latu sensu, já existe desde a era medieval ou ainda antes dela, (seria então uma Fantasia Antiga?), porém a denominação do gênero surge posteriormente com o fim do período medieval e com o aparecimento da literatura moderna.

Além disso, as histórias em questão não se passam, necessariamente, no nosso mundo, no planeta Terra, mas também em um mundo fantástico ou fictício como a Terra Média de Tolkien, os continentes de Westeros e Essos da atual série “Crônicas do Gelo e Fogo” de George R.R. Martin, ou mesmo os diversos mundos da mitologia nórdica. Temos também os mundos fantásticos dos games como o continente de Tamriel de The Elder Scrolls, entre outros infinitos exemplos.

Alguns dizem que o pai da fantasia medieval na literatura moderna seria Tolkien o autor de "O Hobbit" e “O Senhor Dos Anéis” as duas grandes obras que influenciaram os mais diversos RPG's da atualidade, dentre eles o grandioso e famoso “Dungeons & Dragons”. Outro exemplo desse gênero seriam alguns contos de fada que se passam num cenário medieval e com influências folclóricas. Um unânime exemplo de tais contos seriam aqueles escritos pelos irmãos Grimm.



A definição de Fantasia Medieval ainda é objeto de discussão entre estudantes, escritores e fãs do gênero. Todavia, uma característica que sempre é tida como crucial e delineadora de tal gênero é aquela em que os fenômenos da história jamais resultam de uma interferência científica ou tecnológica e sim de magia, vontade divina e “sobrenaturalismos” em geral. Esta característica é geralmente citada, mas não é aceita universalmente, haja vista que algumas histórias infantis atendem a tais atributos porém não são consideradas fantasia medieval.

Atualmente muitos meios de entretenimento e lazer vêm utilizando fortemente esse gênero em suas obras, sendo os jogos de vídeo game e os RPG’s os maiores destaques. Entretanto, os filmes e livros não ficam atrás.

Influência:
Muitas histórias de Fantasia Medieval têm grande influência das religiões dos antigos povoados humanos, sendo a Germânica, Celta e Grega as mais recorrentes. A mitologia nórdica que é basicamente idêntica à germânica, também aparece com frequência. Isso se deve talvez pelo fato das mesmas apresentarem um alto “nível” de fantasia que acabam que por si só sendo Fantasias Medievais. Além disso, o próprio Tolkien teve enorme influência das mitologias Celta e Nórdica em suas obras, com destaque para o poema de Beowulf, muito estudado por ele.

Atualmente as obras de Tolkien também são utilizadas como referência para várias obras, livros, jogos, rpg’s e até mesmo músicas como, por exemplo, a banda Blind Guardian que possui nas letras de suas músicas menções ao gênero. Tolkien foi tão influente que suas obras deram origem um gênero denominado Mitologia Tolkieniana que seria a mitologia criada exclusivamente  por ele.

Subgêneros:
Tratando-se de um subgênero da categoria Fantasia, a Fantasia Medieval ainda apresenta outras divisões que são encontradas em diversos livros, filmes e games. Tais subgêneros se caracterizam por enfatizar certas características já presentes no ramo fantástico medieval, mas que se sobressaem por serem mais exploradas. Um grande exemplo é a Fantasia Sombria, marcada por explorar de maneira mais conspícua o Horror e a violência em seus enredos.



Outro subgênero, seria a Fantasia Heroica, uma espécie de Fantasia utilizada para enredos em que os protagonistas encarnam feitos heroicos semelhantes aos dos famosos heróis gregos. Nesse subgênero, os mocinhos estão acostumados a enfrentar sozinhos criaturas gigantescas, realizar trabalhos sobre-humanos e viajar pelo mundo em busca de aventuras. Muitos enquadram o famoso personagem Conan, o Bárbaro, nesse estilo fantástico, muito embora haja divergências entre seus leitores. Os universos ao estilo de Conan também são conhecidos como "Espada e Feitiçaria", termo cunhado por Fritz Leiber.

Existem ainda outros vários tipos de classificações para os subgêneros da Fantasia, mas não podemos confundi-los com a Fantasia Medieval, que tem sido utilizada para qualificar diversos outros gêneros bastante diferentes. Desta forma, obras mais contemporâneas, como Harry Potter, Percy Jackson, ou ainda As Crônicas de Nárnia, entre outras que se enquadrariam em uma outra categoria conhecida como Baixa Fantasia, isto é, uma fantasia semelhante à medieval, mas que faz interface com o mundo atual, com o mundo contemporâneo, com o mundo real.

Sendo assim, diante da tão vasta produção literária, cinematográfica e gamer da atualidade, deve-se ter um mínimo de cautela ao classificar os gêneros que permeiam nossas estórias favoritas, evitando assim que generalizemos tudo em um único gênero. Embora, seja comum a confusão, podemos evitá-la e neste aspecto, o presente texto tenta contribuir para que não cometamos mais erros, como enquadrar a Fantasia de Tolkien no mesmo estilo da de J.K.Rowling, ou ainda a de Lewis com a de Rick Riordan, e assim por diante.

Autor: Áviner Reis, Taberna Do Fauno

3 comentários:

  1. Tirou varias de minhas duvidas,grato sou a você caro Áviner Reis.

    ResponderExcluir
  2. Amigo, muito bom seu texto. Existe a possibilidade de eu usá-lo como base para um estudo de literatura fantástica e ergódica para o meu tcc? Ficaria muito grato. Caso haja esta possibilidade, envie para o meu endereço eletônico: neto7w@gmail.com. Se a resposta for positiva, darei o merecido crédito à você e seu texto em minha tese.

    ResponderExcluir
  3. Excelente, obrigado pelas explicações!

    ResponderExcluir